segunda-feira, 8 de abril de 2013


"Vem! Que eu canto pra você as nossas chuvas
porque entendo esse nosso pacto com o vento.
Se nossos corações palpitarem em outras curvas e a gente se for,
é porque ainda nos nutrimos das possibilidades de outros caminhos.

(Mas, vem, que minha proposta é de um perpétuo movimento:
deste que nos faz vivos, confusos, certeiros, intensos, inteiros.)

Eu entendo essa roupa feita de jornadas.
Eu entendo essa alma impulsionada pela eterna busca.
Mas quando teu corpo inteiro só precisar de um aconchego,
te faço uma cama entre os meus seios
só pra você me contar sobre o fim do tempo da espera.

(Vem! Pra nos anteciparmos todas estas primaveras.)

5 comentários:

Lívia Almeida disse...

Esse poema me lembrou uma música do Los Hermanos: "Canta para mim qualquer coisa assim sobre você, que explique a minha paz..."

Amei.

Vanessa_Oliveira disse...

Maravilindo !!!
simplesmente assim ...

Déborah Arruda. disse...

Marla escoa sentir.
Boa escolha!

Kim Aniston disse...

...SUSPIRO...!
Lindo, de viver!
Belo, fds!
Beijos!

Felina Bekhell. disse...

Uauuu! que vc.escreve é simplesmente divinooooo!
Serei sua fã!
Beijos!