terça-feira, 3 de maio de 2011

"Dentro de mim mora um grito... À noite ele sai com suas garras, à caça de algo para amar. Sou aterrorizada por essa coisa negra que dorme em mim; O dia inteiro sinto seu roçar leve e macio, sua maldade. Nuvens passam e se dispersam. São estas as faces do amor, pálidas, irrecuperáveis? Foi para isso que agitei o meu coração? Sou incapaz de mais compreensão. E o que é isso agora, essa face assassina em seus galhos sufocantes? O beijo traiçoeiro da serpente petrifica o desejo. Esses são os erros, solitários e lentos, que matam, matam, matam."

(Sylvia Plath)

1 comentários:

» Cynthia Brito! disse...

Mas que se finde uma força maior e que faça-se superar. E que se cessem os gritos!

Grande beijo, moça!