quarta-feira, 2 de março de 2011

São Paulo, 12 de agosto de 1987.

Querida mãe, querido pai,
Não sei mais conviver com as pessoas. Tenho medo de uma casa cheia de pais e mães e irmãos e sobrinhos e cunhados e cunhadas. Tenho vivido tão só durante tantos – quase 40 – anos. Devo estar acostumado.

Dormir 24 horas foi a maneira mais delicada que encontrei de não perturbar o equilíbrio de vocês – que é muito delicado. E também de não perturbar o meu próprio equilíbrio – que é tão ou mais delicado.
Estou me transformando aos poucos num ser humano meio viciado em solidão. E que só sabe escrever. Não sei mais falar, abraçar, dar beijos, dizer coisas aparentemente simples como “eu gosto de você”. Gosto de mim. Acho que é o destino dos escritores. E tenho pensado que, mais do que qualquer outra coisa, sou um escritor. Uma pessoa que escreve sobre a vida – como quem olha de uma janela – mas não consegue vivê-la.

Amo vocês como quem escreve para uma ficção: sem conseguir dizer nem mostrar isso. O que sobra é o áspero do gesto, a secura da palavra. Por trás disso, há muito amor. Amor louco – todas as pessoas são loucas, inclusive nós; amor encabulado – nós, da fronteira com a Argentina, somos especialmente encabulados. Mas amor de verdade. Perdoem o silêncio, o sono, a rispidez, a solidão. Está ficando tarde, e eu tenho medo de ter desaprendido o jeito. É muito difícil ficar adulto.

Amo vocês, seu filho,
Caio.

8 comentários:

• cynthia bs disse...

Olá Lih.
Vim avisar que tem selinho para você em meu blog. Beijinhos, minha flor. Não esqueça de passar lá para buscá-lo :)

Com amor,
Cynthia =*

Camila disse...

Me identifiquei demais com essa carta, concordo que infelizmente o destino de um escritor é a solidão mesmo...

to seguindo o blog!

Jéssica Karoline de Lara disse...

Ah, essa carta é a melhor... Fico triste lendo, mas é tão forte...

Amado Caio...

Sábias escolhas!

Beijo

Jéssica Karoline de Lara disse...

Ah, essa carta me deixa triste... Mas mesmo assim, eu adoro!

Amado Caio...

Sábias escolhas!


beijão!

Karen, viagens e outras coisitas más ... disse...

Oi Lih, estou passando para agradecer a sua participação no sorteio do meu blog.
Beijos.

Diogenes Oliveira . disse...

Muito bom aqui !
estou seguindo .
beijos

Marie Cruz disse...

Nossa, me identifiquei completamente com o texto...

"Uma pessoa que escreve sobre a vida – como quem olha de uma janela – mas não consegue vivê-la."

Parece controverso mas é o que acontece comigo...Tenho muito amor, muitos sentimentos bons dentro de mim, ajudo todos meus amigos a superarem seus problemas, mas não consigo viver minha vida, não consigo fazer o mesmo por mim...Demonstrar claramente que gosto, etc...
Só quem passa por isso sabe como é... :(

Bj*
Seu blog eh ótimo!
;)

Senhor da Vida disse...

Verdade,o escritor fala com o mundo de forma diferente.Sente a presença do outro na mente, fala com as palavras, mas fisicamente precisa se isolar pra sentir de forma original.