domingo, 3 de fevereiro de 2013

Dos domingos de chuva...

Em certos dias eu não sei jogar esse jogo chamado vida. Eu caio, despenco, choro no canto, no escuro.
Em certos dias um vazio me envolve, me ensurdece, me deixa distante e bem sensível.
Nesses dias eu fico no automático. Sorrisos, trabalho, família, tudo fluindo sem grandes esforços ou desejos de superação.
Um dia a armadura de força, esperança e bom humor cai ao chão e eu fico totalmente vulnerável.
Qualquer dor vira a maior das dores, qualquer carinho transforma-se no carinho do século e as esperanças e desejos atingem seu ápice ou caem por terra junto com a moça inatingível.
Não sei ser meio, não sei sentir pouco, gostar metade, lutar só um 'cadin'...eu me entrego a tudo que quero, desejo, busco.
E sinceramente já não sei o quanto isso é bom.

 -Alice A.

5 comentários:

S/E disse...

"Tem dias que a gente se sente
Como quem partiu ou morreu
A gente estancou de repente
Ou foi o mundo então que cresceu..."

denise dutra disse...

e todo este sentimento por MUITA saudade dele... os meus domingos só eram muito felizes por causa dele .

Patricia Thomaz disse...

exatamente assim. Me identifiquei muito. E isso também nao sei se é bom.

Lívia Almeida disse...

Também não consigo ser/estar pela metade e também, por vezes, me vejo deste jeito, me entregando à fraqueza, desejando o nada.

AugustoCrowley disse...

Ser intenso é arriscado, mas a gente aprende muito mais.