sábado, 5 de janeiro de 2013

Pra perdoar não precisa estar perto.

"Fim de ano, Natal, todo mundo fazendo retrospectiva, colocando as coisas na balança, revendo seus momentos e ações mais importantes do ano. O que fez, o que deixou de fazer, o que se viu obrigado a fazer. Pensamos também nas pessoas. Quem esteve presente, quem se tornou próximo, quem foi embora e aqueles que fomos obrigados a tirar de nossas vidas.
Esse clima de paz, amor, caridade e renovação… é foda. É um momento tenso na vida de qualquer um. Porque todo mundo vai pensar naquele ex-canalha, mas que sabia fazer uma ótima massagem. Naquela amiga falsa, mas que era super engraçada. Naquela chefe que nunca te deu nenhum aumento, mas sempre te liberava do trabalho quando você precisava.
E você, tomada por essa onda da benevolência, começa a pensar que “todo mundo tem defeito, mas que todo mundo também tem qualidade. E que o bom é perdoar e ser perdoado e vamos todos ser amigos, fazer o bem…” Calma aí, né? Não sei de onde veio essa ideia de que só perdoamos alguém de verdade se aceitarmos olhar pra cara da pessoa todo santo dia. Quando foi que “perdoar” e “conviver” viraram sinônimos
Seu ex era ótimo nas massagens (e preliminares, e mordidas…) e passava horas conversando com a sua avó. Mas ele também aprontou com você, te magoou, mentiu. E pegou aquela piriguete três horas depois de vocês terem terminado. Ele merece ser perdoado pelos momentos bons que te proporcionou? Tudo bem, perdoe. Mas não precisa ficar de conversinha, nem mantendo contato com a família ou contando seus planos pro futuro. Passou, acabou. Que ele nunca mais erre com ninguém e que venha o seu próximo.
Sua amiga era super engraçada, sabia sempre das melhores festas e tinha vários amigos gatos. Mas ela falava mal de você para todos eles. Ela te xingava de vaca e era grossa com você “porque amigos de verdade se tratam assim mesmo”, mas gata, eu tenho amigas e… a gente não se trata assim não.
O clima da empresa era ótimo, sua chefe era gente boa e sempre quebrava o seu galho quando você precisava faltar ou entregar o relatório de sexta, na segunda. Mas ela nunca estava disponível para falar sobre o seu possível aumento.
Vê se aprende: Perdoar faz bem, mas conviver não é prova disso. Existem pessoas que não precisam ficar na sua vida, nem saber do que acontece no seu dia a dia, sabe por que? Porque elas não acrescentam em nada. E ainda tiram a sua atenção, o seu sorriso, o seu momento bom e até a sua boa vontade. E graças a Deus, dá pra perdoar de longe. Então dê a sua benção e deixe ir.

- Jéssica Mendes

2 comentários:

AugustoCrowley disse...

E deixe ir. Gostei muito, super realista, ainda mais num ano 13 que no taro e relativo a carta da morte: deixar o velho e abraçar o novo.Grato pelo tempo convivido mas o que não serve mais que fique no passado.Vida nova pra gente, e boa!Beijokas e Feliz 2013!

Lucian Rodrigues Cardoso disse...

Perdoar, pra seguir a frente, seguir o novo! Gostei do que li! Se puder, me visite e seja uma membra, para ajudar na divulgação do meu humilde e novo espaço. Abraços, Lucian (http://www.poemasintrovestidos.blogspot.com.br/)