segunda-feira, 1 de agosto de 2011

"A tua solidão é tão vasta quanto a minha. Confessa.
Tuas noites são povoadas por saudades. E memórias.
Tu também olhas pela janela nas altas madrugadas desejando um amor. Em segredo.
Tu também te perdes, caminhos errados, pessoas
estranhas – o santo não bate, lembra?
Ninguém desconfia das tuas angústias. Nem mesmo eu.
E então, com meia dúzia de palavras bonitas, mas difíceis, tu te desnudas. Sem querer?
Não te imagino intencional. És um aviãozinho de papel a vagar pelos ventos sem rumo.
Engana-te se achas que é possível ser terrivelmente feliz nestes esconderijos.
Abre-te para os encantos. É lá que moram os olhares encontrados,
a pele arrepiada,o pé que encosta no outro sem aviso. As mãos dadas.
Tu me encantas. Longe, perto, sem saber..."

(Paula Pfeifer)

3 comentários:

deia.s disse...

Segunda vez que me deparo com esta foto, lindíssima.

Tenha uma ótima semana flor,
kiss sweet :)

http://amar-go.blogspot.com/

Senhor da Vida disse...

Perfeito post, adorei.

Nina Pilar disse...

solidão...

gosto de silêncio, de observar o que passa-
a minha volta, de falar sozinha, de caminhar só...

eu gosto de solidão, sem angustia, traumas, ou desesperos.
gostei do teu texto!

beijinhos querida