quarta-feira, 3 de novembro de 2010

"...O intelecto cansa,a vontade nunca;o intelecto precisa de sono,mas a vontade trabalha até mesmo durante o sono.A fadiga,como a dor,tem a sua sede no cérebro;os músculos não ligados com o cérebro ( como o coração) nunca se cansam. No sono,o cérebro se alimenta;mas a vontade não requer alimento algum.Daí a necessidade de dormir ser maior nos que trabalham com o cérebro. [...]Durante o sono,a vida do homem mergulha para o nível vegetativo,e então " a vontade funciona segundo a sua natureza original e essencial,sem receber pertubações do exterior,sem dimunuição de poder através da atividade do cérebro e do empenho do saber,que é a mais pesada nas funções orgânicas;[...]portanto,durante o sono todo o poder da vontade é direcionado para a manutenção e a melhoria do organismo.Daí todas as curas,todas as crises favoráveis,terem lugar durante o sono".[...] O sono é um pedaço de morte tomado emprestado para manter e renovar a parte da vida que foi exaurida pelo dia."

1 comentários:

Nira disse...

gostei da sua definição de sono!