domingo, 12 de setembro de 2010

Florbela Espanca

"O meu mundo não é como o dos outros, quero demais, exijo demais; há em mim uma sede de infinito, uma angústia constante que eu nem mesma compreendo, pois estou longe de ser uma pessoa; sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, violenta, atormentada..."

2 comentários:

Naia Mello disse...

Me define completamente.
Eu adoro essa poeta *-*

Lucas Tiago R. de Freitas disse...

Somos cidadãos do infinito.

Desistiu de seguir o meu blog?