segunda-feira, 14 de junho de 2010

Abre os olhos, morena
vem ver meu boi
Tá vindo da estrela,
traz batalhão afiado
e o couro bordado
pro contrário ver.

Sei que ele ainda sente saudade
quando vê a bandeira azulada passar pela praça
modelo de graça do meu São João.

Do arraial que é do sol
do arraial que é da lua
do povo na rua
do meu guarnicê.

Canta, Vardé!
Vardé das cuieiras
que eu estrondo lá fora
e quando eu for embora, contrário
nesse adeus é que tu choras.

5 comentários:

O mundo da Reis disse...

òtimo ótimo ótimo

Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ NARA CABRAL Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tiabetok disse...

vc veio????
foi muito bom...\o/
aguardando o próximo demingo!

Carlos Augusto Matos disse...

Ótima letra... Mais lindo ainda a foto... Amei... Arrail é tudo de bom...

Bjuxxxx

Anônimo disse...

Pergunta sem resposta.
Sentada no seu quarto, ela começa a perguntar:

- Qual é a cor da solidão?


Monique Targino