terça-feira, 17 de novembro de 2009

José Carlos Oliveira

"Nunca senti tanta pena de um homem, pela primeira vez
senti tesão misturado com piedade, ele era lindo que nem...
que nem o gatinho com a pata quebrada debaixo da chuva
que achei aquela noite em Ipanema e levei no colo,
e depois ficamos sentados debaixo da marquise,
e ele miava e eu ninava assim:
'Você marcou bobeira xará, com tanta gente nesta puta cidade,
foi cair logo nas mãos de uma gatinha de pata quebrada
debaixo da chuva, igualzinha a você."

7 comentários:

PT do B - Capanema/Pará disse...

Pelo visto você continua um amor de pessoa. Estou com uma publicação e quero o seu endereço para lhe enviar, se o caso for. Bjs.

P.S.: Ainda continuo apaixonado por ti, rs.

Rafael Welter Feck disse...

pra mim, escrever não é saber, é sentir
e tua sensibilidade ta explícita no teu blog
quero muito te ler...

obrigado pelo comentário,
alem de linda tu é uma querida
beijo
Rafa Feck

PT do B - Capanema/Pará disse...

Me fala também o endereço da tua casa, quero te mandar algumas publicações, tem haver com o teu curso da UFPA, tudo bem?!

Abraços!

Carlinhos

Taynná =) disse...

Estou ficando clichê nos meus comentários...
Mas cada vez que você aparece tem um texto mais lindo que outro!
Beijo!!

Hosana Lemos disse...

lindo esse afeto mútuo, esse carinho recíprocu. Sensação única!
^^


beijos

Tônio disse...

o começo do texto me lembro a cena do julgamento no livro "o estrangeiro" do camus. lindo blog.

Tay Vieira disse...

velho, amei esta.