sábado, 29 de agosto de 2009

Chega de meias bocas pra preencher profundos vazios. Meias bocas para beijar entradas inteiras. Meios beijos de respeito na testa. Meias palavras para dizer alguma coisa que, feita a análise fria, nada querem dizer. Intenções soltas e desejos desconexos. Esse mistério todo é uma violência contra a minha inteligência. Sejamos diretos para não sermos idiotas: eu te quero. Você me quer? Não sabe? Ah, então vá pra p*. (E vá ser vago na casa da sua mãe porque embaixo da sua manga eu não fico mais!)...Seja inteligente, faça jus à espécie, seja Sapiens. Perceba o sinal verde, ultrapasse...Eu não sou morna e, se você não quiser se queimar, morra na temperatura do vômito. E bem longe de mim...Chega de ser metade aquecida, metade apreciada, metade conhecida...e meio amada em histórias pela metade...Chega de sorrir para o que não me contenta e me cobrar paciência com um profundo respiro de indignação.

1 comentários:

Anne disse...

PeRfEiToooooo