terça-feira, 21 de julho de 2009

"Quando há sol, e esse sol bate na
minha cara amassada do sono ou da insônia,
contemplando as partículas de poeira soltas no ar,
feito um pequeno universo,
repito sete vezes para dar sorte:
que seja doce que seja doce que seja doce
e assim por diante."

1 comentários:

CIBELE CAMARGO disse...

Olá,querida!
Adorei seu poema.Parabéns, estarei
sempre por aqui.
Beijos, Cibele