sexta-feira, 19 de junho de 2009

"Preciso dessa emoção que os antigos chamavam de amor, quando sexo não era morte e as pessoas não tinham medo disso que fazia a gente dissolver o próprio ego no ego do outro e misturar coxas e espíritos no fundo do outro-você, outro-espelho, outro-igual-sedento-de-não-solidão, bicho-carente, tigre e lótus. Preciso de você que eu tanto amo e nunca encontrei."

[In.: Ao som de Suzane Vega - O Estado de S. Paulo, Caderno 2, 29/07/87.]

1 comentários:

Ser em construção disse...

Morango, estrelas, o que mais poderia querer em uma noite fria?
Palavras que esquentam os olhos, mãos e despertam o pensar...
Gostei muito do seu espaço.
Espero por você no Em Contrução http://blogeemconstrucao.blogspot.com/
Super beijo